Contabilidade Consultiva

Imposto de renda para MEI: como engajar os microempreendedores na contabilidade?

19 fev

Todo início de ano, os contadores se deparam com uma grande oportunidade de captar mais clientes: o imposto de renda para MEI. São mais de 8 milhões de microempreendedores individuais cadastrados no Portal do Empreendedor até o fim de 2019

Mais precisamente, 8.154.678 CNPJs cadastrados, sendo 379 mil novos MEIs somente no primeiro trimestre do ano passado. O número de microempreendedores individuais não para de crescer. Um estudo do Serasa Experian mostrou que 81,4% das novas empresas de 2018 são MEIs.

Se você quer expandir seu negócio e engajar microempreendedores na contabilidade, precisa estar atento às oportunidades. Tornar-se um parceiro de negócios ainda no início, com o imposto de renda para MEI, é um ótimo caminho. Assim, além de ajudá-lo, você cresce com ele.

Você pode estar se perguntando: “Ah, mas de acordo com a Lei 128/2008, não há obrigatoriedade de contratação de contador pelo MEI”. Realmente não há. Muitos microempreendedores não ultrapassam o faturamento anual de R$ 81 mil e podem fazer a declaração anual simplificada diretamente pela plataforma do governo. Mas há casos em que há necessidade de declarar imposto de renda para MEI, e é aí que você entra.

Confira, nesse post, as oportunidades que você pode aproveitar neste momento para engajar os MEIs com seu escritório de contabilidade!

Imposto de renda para MEI

Imposto de renda para MEI

O Microempreendedor Individual exerce o papel de empresário e de cidadão. Cada um possui suas obrigações com a Receita Federal. Enquanto a pessoa jurídica paga mensalmente o DAS e entrega a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-SIMEI), o cidadão, conforme seus rendimentos, deve declarar seu imposto de renda de pessoa física. E é neste ponto que aparece o imposto de renda para MEI.

Necessidade de declaração do imposto de renda para MEI

A declaração do imposto de renda para MEI é obrigada em duas situações específicas:

  • Microempreendedor atingiu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 no ano anterior. Por mês, seria cerca de R$ 2.380,00.
  • Microempreendedor teve rendimentos isentos não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil.

Além dessas duas principais situações, existem outras regras na legislação que obrigam a declaração do imposto de renda para MEI, tais como obter ganho de capital sujeito à incidência do imposto na alienação de bens ou direitos, realizar operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e semelhantes, e outras situações.

Para entender se o MEI deve declarar o imposto de renda, é preciso realizar o cálculo. Mas, antes, não custa lembrar que nem todo o lucro obtido com a empresa será considerado tributável. O MEI possui uma faixa de isenção de parte dos rendimentos, conforme a atividade da empresa. Ou seja, determinada parcela pode ser declarada como rendimento não tributável. A faixa de isenção para as atividades previstas no MEI, calculada sobre a receita bruta, são:

  • 8% para atividades de indústria, comércio e transporte de carga;
  • 16% para transporte de passageiros;
  • 32% para serviços em geral.

Para exemplificar melhor a situação, imagine que uma empresária do ramo de serviços tenha tido uma receita anual bruta de R$ 70 mil, comprovando despesas de R$ 20 mil. Os cálculos seriam o seguinte:

  • Receita bruta anual: R$ 70 mil;
  • Despesas comprovadas (água, energia elétrica, aluguel, internet, telefone etc.): R$ 20 mil;
  • Lucro evidenciado (receita bruta menos despesas comprovadas): R$ 50 mil;
  • Parcela isenta (32% da receita bruta anual): R$ 70 mil x 0,32 = R$ 22.400,00;
  • Parcela tributável do lucro (lucro evidenciado menos parcela isenta): R$ 27.600,00.

Neste caso, os rendimentos tributáveis não ultrapassam o limite de R$ 28.559,70. Assim, não há necessidade de declarar imposto de renda para MEI. 

No entanto, se sua receita bruta fosse de R$ 80 mil, o lucro evidenciado seria R$ 60 mil, a parcela isenta seria R$ 25.600,00, e a parcela tributável seria R$ 34.400,00. Ou seja, seria preciso declarar imposto de renda para MEI.

Agora imagine que o MEI atua no transporte de passageiros. Os rendimentos não tributáveis correspondem a 16% dos lucros da empresa. O restante deverá ser declarado como tributável, conforme o cálculo apresentado.

Há ainda casos em que há outros rendimentos fora do MEI. Nessa situação, não é preciso fazer outra declaração, mas eles devem ser informados na mesma declaração.

Importância de transformar os microempreendedores em clientes

Importância de transformar os microempreendedores em clientes

Ainda que os microempreendedores não sejam obrigados a realizar a escrituração de seus negócios nem ter um contador para auxiliar na rotina, um bom profissional pode fazer a diferença. Se o cálculo do imposto de renda para MEI nos parece simples, nem sempre o é para esses pequenos empresários. 

Muitos microempreendedores não têm conhecimento sobre pontos básicos da empresa. Muitos outros não conseguem manter seus documentos organizados. E tudo isso pode colocar o empreendimento em risco. Afinal, ninguém quer cair na “malha fina” da Receita. Por isso, a presença do contador pode ser de grande ajuda. E você, contador consultivo, pode utilizar esse gap na administração do negócio do MEI para se tornar um parceiro do negócio.

Em outras palavras, considerando o viés contábil, o legislador brasileiro comparou o MEI a outras formas de regime tributário, como lucro real, presumido, arbitrado ou simples nacional. E o que isso quer dizer? Que ele é isento de imposto de renda, mas deve realizar controle financeiro de suas receitas e despesas. Seria importante ter um livro caixa, guardar comprovantes e notas fiscais e se manter organizado. E é aí que o contador entra.

Mas até então só estamos mostrando a importância para os MEIs de ter um contador ao seu lado. E qual a importância, para os contadores, de engajar esses microempreendedores na contabilidade? De forma bastante resumida, é uma grande oportunidade de negócios.

Apesar do limite de faturamento anual, muitos MEIs sequer o atingem. Em boa parte dos casos, isso acontece devido à uma gestão de negócios ineficientes, decisões mal fundamentadas que impedem o negócio de crescer. Sabemos que o contador é peça-chave na saúde financeira de qualquer empreendimento, e ele pode, sim, ajudar um MEI a crescer, desde que seja o parceiro de negócios ideal.

Na medida em que o microempreendedor cresce, aparecem outras oportunidades para o contador. Principalmente quando o desenquadramento se torna necessário, algo que ocorre quando o MEI ultrapassa o limite. Muito além do imposto de renda para MEI, o empresário precisará de auxílio para fazer um novo planejamento financeiro para seu negócio. E essa é mais uma chance de você demonstrar valor para esse pequeno empresário.

Em suma, a maior importância de transformar os microempreendedores em clientes é aproveitar cada oportunidade no crescimento desse negócio para fidelizá-lo. Sem dúvidas, um empresário jamais esquecerá aquele profissional que o auxiliou lá no início, que fez com que sua empresa crescesse e se tornasse referência no mercado.

Para que isso aconteça, você, contador, deve se preocupar em oferecer um serviço diferenciado e especializado para MEI. 

Dicas para oferecer um serviço diferenciado e especializado para MEI

Dicas para oferecer um serviço diferenciado e especializado para MEI

Conheça os serviços contábeis relevantes para o MEI

Por mais simples que pareçam as obrigações do MEI, o empreendedor (ou aspirante a empreendedor) apresenta dificuldades para lidar com algumas burocracias. O contador, acima de tudo, deve entender que um dos pilares do relacionamento com um cliente (ou potencial cliente) é atender às necessidades dele de forma adequada. Por isso, há alguns serviços contábeis relevantes para o MEI que você deve conhecer e ofertar. Veja:

  • Abertura do MEI: por lei, todo escritório contábil optante pelo Simples Nacional deve oferecer auxílio para abertura do MEI e para a transmissão da primeira declaração anual simplificada. Mesmo se seu escritório não for optante pelo Simples, é interessante oferecer esse auxílio sem cobrança para atrair o cliente e mostrar o valor da contabilidade para MEI. Sem falar que o processo é muito simples, 100% online e rápido.
  • Preenchimento do Relatório Mensal das Receitas Brutas: essa forma de controle do MEI é pouco praticada por eles por não ser obrigatória. Mas ela é importante para manter o controle sobre o faturamento. Quando o contador assume a obrigação (preenchimento do relatório até o dia 20 de cada mês), ele deixa o empreendedor com uma preocupação a menos e mantém a organização mensal, inclusive de notas fiscais emitidas.
  • Envio da Declaração Anual Simplificada: esse trâmite obrigatório para o MEI pode ser uma grande dor de cabeça, principalmente para quem não preenche os relatórios mensais. O empresário não pode perder o prazo, nem errar na transmissão da declaração. Deve também ficar atento ao limite anual de R$ 81 mil e verificar se é preciso declarar imposto de renda para MEI. Com o contador, tudo isso se torna mais simples.
  • Otimização tributária: o MEI possui impostos unificados pelo DAS, mas, sem organização, corre um grande risco de pagar maior percentual do imposto de renda, uma vez que boa parte do lucro se direciona para pessoa física. O contador pode realizar o serviço de otimização tributária para que ele pague menos impostos, pois será responsável por gerenciar suas obrigações fiscais.
  • Apoio na contratação de funcionário: por lei, o MEI pode ter um funcionário com remuneração de um salário mínimo ou piso salarial da categoria. O contador que oferece esse serviço lida com uma das maiores dores do microempreendedor, pois a contratação de funcionários deve ser feita dentro das leis trabalhistas e previdenciárias. Recolher guia de FGTS, administrar a folha de pagamento e seguir as demais normas pode ser um grande desafio.
  • Migração para microempresa: um MEI próspero ultrapassa rapidamente seu limite de R$ 81 mil de faturamento anual. Por lei, quando isso ocorre, ele é obrigado a migrar para ME (Microempresa) ou EPP (Empresa de Pequeno Porte). Será necessário fazer o desenquadramento do Simples Nacional e isso pode ocasionar muitas dúvidas no empreendedor.

Faça a captação pela abertura

Como pontuamos anteriormente, os escritórios de serviços contábeis optantes pelo Simples Nacional são obrigados a prestar assessoria gratuita ao MEI no momento da abertura e na primeira Declaração Anual Simplificada (Lei Complementar 123/06). Mesmo que você não seja optante, pode aproveitar o momento da abertura para captar esses clientes para futuros serviços.

Isso ocorre porque o empreendedor começará um negócio com seu apoio na tomada de decisões. Olhar com carinho para os empresários iniciantes é um investimento para o futuro, já que, com o desenvolvimento desses clientes, você se torna também mais valioso. 

Antes de mais nada, se o cliente chegou até você no momento da abertura, é preciso ser transparente. Seja claro ao dizer que não há obrigação da contabilidade para MEI, mas que você pode ser um profissional importante para que o negócio cresça de forma responsável e sustentável. É uma ótima maneira de iniciar a construção do vínculo de confiança. 

E como fazer a captação pela abertura, além de oferecer esse serviço de forma gratuita? Uma boa forma é oferecer um pacote serviços contábeis específicos para esse público, o que acabamos de apontar: auxiliar na abertura, preencher relatórios e enviar declarações, emitir notas fiscais, auxiliar na folha de pagamento e no processo de migração para ME.

Divulgue esses pacotes nas redes sociais, tenha um blog com materiais educativos e adote outras estratégias de marketing contábil para dar visibilidade a eles. Dessa forma, você será visto como um escritório de referência para declarar o imposto de renda para MEI e para inúmeros outros serviços. 

A captação começa na abertura, não tenha dúvidas.

Aproveite o momento do imposto de renda para alcançar essas pessoas

Imagine que a empresária do ramo de serviços, do nosso exemplo inicial, tenha apresentado um rendimento próximo ao limite. Sem dúvidas, uma das coisas que passará pela cabeça dela é o pagamento de imposto de renda para MEI. Ainda que ela vá para internet, se informe com as cartilhas do governo sobre a declaração do imposto, a insegurança pode aparecer. E se a declaração for feita com erros? E se cair na malha fina?

É o momento em que ela procurará por um profissional para auxiliá-la na tarefa. Principalmente porque esse é um serviço de excelente custo-benefício. Em muitos casos, o contador cobra um valor bem módico (ou deveria cobrar, já que o contador deve considerar a realidade desse empreendedor na hora de precificar seus serviços). Ela gastaria horas (que poderiam se destinar ao seu negócio) para fazer a declaração. Mas você, contador, não. 

Nessa situação, seu escritório de contabilidade deve demonstrar toda a solicitude para deixá-la segura quanto à declaração. Principalmente se o negócio dela for um pouquinho mais complexo do que o normal, caso em que os processos financeiros e contábeis podem ser de difícil compreensão para ela.

E essa mera tarefa de declarar o imposto de renda para MEI é uma grande oportunidade para o contador se mostrar indispensável aos microempreendedores. É nessa hora que você pode mostrá-los que a gestão profissional do negócio, que passa por uma boa contabilidade, pode contribuir muito para o empreendimento.

E, com o crescimento, você já pode oferecer um pacote de serviços mais completo para o cliente.

Oriente e eduque o MEI

Oriente e eduque o MEI

Uma das funções importantes que a contabilidade possui é a orientação e educação de seus clientes. Ao invés de apenas realizar uma tarefa, como fazer a declaração do imposto de renda para MEI, um contador que oferece um serviço especializado também orienta seu cliente sobre os processos que garantem a saúde das finanças e o crescimento do negócio.

Trazendo para a realidade de qualquer pessoa, imagine que você vá ao médico, porque apresenta colesterol alto. Como você se sentiria se ele apenas olhasse o exame de sangue, prescrevesse o remédio e dissesse para você retornar com o resultado de novos exames em 3 meses? Ele cumpriu a função para o qual foi designado, mas nada agregou em sua vida.

Agora se imagine na mesma situação com um médico também especialista, mas que se preocupa em prestar um serviço diferenciado. Ele analisará seus exames, mas, antes de prescrever um remédio, tentará compreender em qual contexto você vive, quais são seus hábitos alimentares e de atividade física. Em seguida, orientará você a tomar medidas que contribuirão para a melhora em sua saúde. Por fim, prescreverá o remédio.

Quem passa mais confiança? Sem dúvidas, o segundo. A orientação e a educação dos seus hábitos estabelece uma relação de confiança. O mesmo ocorre com o contador. Aproveite cada oportunidade, inclusive a declaração de imposto de renda para MEI, para compreender o negócio, o contexto em que ele está inserido, e orientá-lo sobre boas práticas.

Ofereça um planejamento financeiro

É normal que, após escutar orientações do contador, o MEI fique cheio de dúvidas sobre seus processos financeiros e contábeis. Isso faz parte do seu processo de venda, porque ele é um cliente que poderá demandar novos serviços. E você deve demonstrar valor por meio da educação, como apontado inúmeras vezes em nossos textos de marketing contábil. Um dos pontos que pode ficar na cabeça do microempreendedor é o planejamento financeiro.

Quando essa demanda aparece, é sua oportunidade de engajar o empresário na contabilidade. Mais do que o imposto de renda para MEI, você apresenta um planejamento personalizado. Pode ser um plano básico com relatórios sobre as finanças empresariais ou uma assessoria estratégica mais ampla, sobre o qual falaremos a seguir.

Ele perceberá que existem muitas possibilidades de futuro com um bom planejamento e que você é o profissional confiável para ajudá-lo nesse caminho.

Ofereça aconselhamento para tomada de decisões

Uma das maiores dores de qualquer empresário, seja MEI ou não, é a tomada de decisões. Há uma grande insegurança que o permeia, porque uma decisão errada pode causar um grande prejuízo. Então, sabendo que essa é uma preocupação constante, o contador pode engajar os microempreendedores na contabilidade oferecendo aconselhamento para tomada de decisões.

Mesmo se ele tiver chegado para declarar o imposto de renda para MEI, você pode aproveitar a oportunidade para demonstrar o valor de outros serviços. Como falamos sobre o planejamento financeiro, você pode oferecer um diagnóstico atual, com uma visão de longo prazo para o crescimento do negócio. Da mesma forma, pode educá-lo sobre seu papel de contador consultor, que desempenha a função de suporte na tomada de decisões.

Mostre a ele situações reais em que você auxiliou outros clientes na gestão dos negócios, desenvolvendo formas de registro e análise dos processos financeiros e contábeis. Mostre ao MEI que a interpretação das informações pode ser fundamental para uma boa tomada de decisões.

Em suma, ofereça aconselhamento para essa atividade colocando-se como um parceiro de negócios que deseja ver o crescimento daquela empresa. Mostre que não basta declarar imposto de renda para MEI e fazer a declaração anual, sendo necessário pensar estrategicamente para se desenvolver.

Ofereça aconselhamento para tomada de decisões

Fazer a declaração do imposto de renda para MEI é uma ótima porta de entrada para captar esses clientes. Mas muitos sabem que as atividades prestadas costumam ser simples, sem grandes complexidades contábeis. Por isso, seu papel como contador consultor é demonstrar valor em seus serviços para engajar esse público na contabilidade. Assim, garante uma clientela fiel ao longo do tempo, pois o negócio se desenvolverá de forma organizada e saudável.Que tal aprender mais sobre a importância do relacionamento com o cliente?

Deixe um Comentário

>
>