Contabilidade Consultiva

Contador ou contabilista: existe alguma diferença entre esses dois profissionais?

04 mar

Certo dia, você está aguardando atendimento no banco e escuta alguém dizendo para chamar o contabilista. Minutos depois, ouve os interlocutores do diálogo falando que o contador não está. Se essa situação o confundiu, não se preocupe. É uma confusão muito normal acerca dos termos contador e contabilistas. Afinal, existe alguma diferença entre esses dois profissionais?

Estratégias de marketing digital para você aplicar em seu escritório contábil

Neste kit, você encontrará métodos que te ajudarão a vender seus serviços contábeis. Desde o Marketing Digital (emails e redes sociais) até métodos de proposta!

A única certeza é que eles sabem os conceitos de fluxo de caixa, receitas e despesas, ativos e passivos, margem de contribuição, depreciação e muitos termos do mundo da Contabilidade. Mas, até hoje, há uma enorme confusão. Contabilista é contador? Contador é contabilista? Desvendamos alguns mistérios sobre o tema. Acompanhe!

O que é contador?

O que é contador?

As Ciências Contábeis é um ramo que oferece duas possibilidades aos interessados em uma formação na área: curso técnico e curso superior (o chamado bacharelado). O contador é o indivíduo que se torna bacharel em Ciências Contábeis ou que possui diploma de curso superior na área. Desde junho de 2015, por regulamentação específica da profissão, somente os bacharéis em Ciências Contábeis podem obter o registro profissional junto ao Conselho Regional de Contabilidade (CRC).

O contador pode trabalhar em diversas áreas, como gestão de empresas, controladoria, mercado de seguros, auditoria, perícia, serviço público e outras. Ao mesmo tempo em que pode assessorar a abertura e o fechamento de empresas, recomendando o enquadramento tributário mais adequado, ele realiza atividades burocráticas (apuração de tributos, elaboração de balanços e outros relatórios contábeis) e é fundamental na tomada de decisões.

Todas as funções do contador estão descritas na Resolução nº 560/83. Algumas se confundem com as funções do técnico em contabilidade. Mas existem tarefas exclusivas. São elas:

  • Análise de custos e despesas, em qualquer modalidade, em relação a quaisquer funções como a produção, administração, distribuição, transporte, comercialização, exportação, publicidade, e outras, bem como a análise com vistas à racionalização das operações e do uso de equipamentos e materiais, e ainda a otimização do resultado diante do grau de ocupação ou do volume de operações;
  • Análise de custos com vistas ao estabelecimento dos preços de venda de mercadorias, produtos ou serviços, bem como de tarifas nos serviços públicos, e a comprovação dos reflexos dos aumentos de custos nos preços de venda, diante de órgãos governamentais;
  • Concepção dos planos de determinação das taxas de depreciação e exaustão dos bens materiais e dos de amortização dos valores imateriais, inclusive de valores diferidos;
  • Reavaliações e medição dos efeitos das variações do poder aquisitivo da moeda sobre o patrimônio e o resultado periódico de quaisquer entidades;
  • Avaliação de acervos patrimoniais e verificação de haveres e obrigações, para quaisquer finalidades, inclusive de natureza fiscal; 
  • Avaliação do desempenho das entidades e exame das causas de insolvência ou incapacidade de geração de resultado;
  • Determinação de capacidade econômico-financeira das entidades, inclusive nos conflitos trabalhistas e de tarifa;
  • Controle, avaliação e estudo da gestão econômica, financeira e patrimonial das empresas e demais entidades;
  • Revisões de balanços, contas ou quaisquer demonstrações ou registros contábeis; 
  • Regulações judiciais ou extrajudiciais, de avarias grossas ou comuns; 
  • Apuração do valor patrimonial de participações, quotas ou ações; 
  • Auditoria interna e operacional, ou externa independente; 
  • Perícias contábeis, judiciais e extrajudiciais;
  • Análise do comportamento das receitas; 
  • Análise das variações orçamentárias;
  • Avaliação dos fundos de comércio, dentre outras.

Mas e o contabilista? Antes de entender o termo, é preciso saber o que é o técnico em contabilidade e quais são suas atribuições.

Técnico em contabilidade

O técnico em Contabilidade é o profissional que tem nível médio ou técnico em Ciências Contábeis.Antigamente, era chamado de “guarda-livros”. Um técnico contábil que se formou até o dia 1º de junho de 2015 deve se registrar no Conselho Regional de Contabilidade para exercer a profissão. Após a data, somente os contadores devem ter registro.

E quais são suas atribuições? Quase todas desenvolvidas pelo contador. Ou seja, ele também pode cuidar da gestão financeira empresarial e ser o responsável por prestar contas. A escrituração contábil e fiscal, bem como o cálculo de tributos, juros e taxas, e os registros e lançamentos contábeis também são tarefas que podem ficar sob sua responsabilidade.

A diferença está em atividades específicas, exclusivas do contador, que a Resolução nº 560/83 traz. O técnico em Contabilidade não está habilitado a realizar as atividades que mencionamos anteriormente. 

O que é contabilista?

O que é contabilista?

Esclarecidas as diferenças entre contador e técnico em contabilidade, é hora de elucidar o que é contabilista. O termo “contabilista” é uma maneira geral de se referir aos profissionais de Ciências Contábeis. Não importa que seja bacharel, técnico ou auxiliar. Todos eles são contabilistas, pois pertencem à área da contabilidade em geral.

Na linguagem popular, o termo “contabilista” é utilizado erroneamente para designar o técnico contábil. Mas, como acabamos de pontuar, é uma referência ao profissional que exerce a prática contábil de modo genérico.

Para evitar a confusão com o termo, o Conselho Federal de Contabilidade, em 2010, determinou que se use o termo “profissional da contabilidade” para designar a categoria mais genérica, que engloba todos os profissionais. Ainda que muitos chamem o dia do Profissional da Contabilidade de Dia do Contabilista, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) sugere a substituição formal do termo.

E quais são as atribuições do contabilista? O Decreto-lei nº 9.295/46, que Cria o Conselho Federal de Contabilidade e define as atribuições dos profissionais de Ciências Contábeis, traz em seu artigo 25 os trabalhos técnicos que o profissional exerce. São eles:

  • Organização e execução de serviços de contabilidade em geral;
  • Escrituração dos livros de contabilidade obrigatórios, bem como de todos os necessários no conjunto da organização contábil e levantamento dos respectivos balanços e demonstrações;
  • Perícias judiciais ou extrajudiciais, revisão de balanços e de contas em geral, verificação de haveres revisão permanente ou periódica de escritas, regulações judiciais ou extrajudiciais de avarias grossas ou comuns, assistência aos Conselhos Fiscais das sociedades anônimas.

Quais são as diferenças?

Quais são as diferenças?

Considerando as particularidades que acabamos de apontar, é possível dizer que todo contador é contabilista, mas nem todo contabilista é contador. O termo contabilista, por ser geral, abrange também os técnicos e auxiliares de Contabilidade.

Então, a única diferença do contador nesse grupo de profissionais é o diploma universitário. O contador, vale lembrar, é o único bacharel em Ciências Contábeis. E, como pontuamos em tópico próprio, ele possui algumas atribuições exclusivas, estabelecidas da Resolução do CFC. Para entender todo esse histórico dos termos, vale trazer duas curiosidades à tona.

Guarda-livros e peritos-contadores

Essas confusões entre contabilista ou contador surgiram com a história do ensino da Contabilidade no Brasil. Em uma linha cronológica, podemos apontar os principais acontecimentos para você compreender:

  • 1931: foi editado o Decreto nº 20.158, que criou diversos cursos de ensino voltados para o comércio. Existiam cursos de nível médio, com disciplinas de contabilidade em seu currículo, para formar guarda-livros e peritos-contadores.
  • 1945: criou-se o primeiro curso universitário de Ciências Contábeis em 22 de setembro. Aqueles que se tornavam bacharéis desse curso passaram a ser chamados de contadores. Os antigos peritos-contadores foram equiparados a eles. A data de criação do curso é considerado Dia do Contador, comemorado até hoje.
  • 1958: com o advento da Lei nº 3.384, os guarda-livros receberam outra denominação e passassem a integrar a categoria profissional de técnicos em contabilidade.
  • 1997: com a confusão criada com tantos termos, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu que existem somentes duas profissões na área contábil, quais sejam o contador (com diploma de graduação) e o técnico em contabilidade (formação de nível médio ou técnico). Não existe a profissão de “contabilista”, disse o tribunal na oportunidade.
  • 2010: o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) determinou a substituição do termo “contabilista” por “profissional da contabilidade”, inexistindo o Dia do Contabilista (25 de abril), que agora é o Dia do Profissional da Contabilidade.

Falando em comemorações, por que tantas datas para o contabilista?

Comemoração

As datas que homenageiam os profissionais da área contábil são várias. Com a criação do primeiro curso de Ciências Contábeis, em 22 de setembro de 1945, apareceu a primeira comemoração, que é o Dia do Contador, ainda comemorado atualmente.

Mas de onde vem a menção ao dia 25 de abril? Em 1926, João Lyra, senador e patrono dos contabilistas, estabeleceu o 25 de abril como “Dia do Contabilista Brasileiro”. A data comemorativa foi instituída por lei em 1979. Mas, como mencionamos anteriormente, o Conselho Federal determinou a substituição do termo “contabilista” por “profissional da contabilidade”.

Em suma, no dia 22 de setembro comemora-se o Dia do Contador, e no dia 25 de abril comemora-se o Dia do Profissional da Contabilidade.

Quando cada um deles é necessário?

Quando cada um deles é necessário?

O contabilista é um profissional necessário para qualquer negócio que deseja se manter sustentável no mercado. A avaliação pela necessidade de um técnico ou de um contador passam pelas atribuições de cada um, mas todos eles atuam diretamente na essência das finanças. São os responsáveis por manter a empresa em dia com a legislação fiscal e tributária, mas devem ir além.

Conforme o artigo 1º da Resolução CFC nº 560/83, “O exercício das atividades compreendidas na Contabilidade, considerada esta na sua plena amplitude e condição de Ciência Aplicada, constitui prerrogativa, sem exceção, dos contadores e dos técnicos em contabilidade legalmente habilitados, ressalvadas as atribuições privativas dos contadores”.

O contabilista pode exercer suas atividades de várias formas, como celetista, servidor público, autônomo, sócio de empresa, conselheiro de entidade etc. Pode ocupar funções de assessor, analista, conselheiro, escriturador, fiscal de tributos e muitas outras. Há muitas possibilidades e necessidades que tanto o contador quanto o técnico podem atender.

Técnico

Considerando esse cenário geral, o técnico contábil é indicado para as atividades que não são privativas do contador. Isso não quer dizer que suas tarefas são mais simples ou de menor valor para uma empresa. É uma questão de obedecer ao que consta na Resolução. Esse profissional fornece informações adequadas, seguindo os princípios e as normas técnicas. Ele também pode atuar de forma consultiva, e isso é bastante recomendável para que o empresário consiga enxergar valor em seu exercício.

Um ponto que merece destaque é o disposto no artigo 3º, §2º da Resolução. O dispositivo traz os serviços exclusivos dos contadores que podem ser executados pelos Técnicos em Contabilidade da qual sejam titulares. São eles:

  • Apuração de haveres e avaliação de direitos e obrigações, do acervo patrimonial de quaisquer entidades, em vista de liquidação, fusão, cisão, expropriação no interesse público, transformação ou incorporação dessas entidades, bem como em razão de entrada, retirada, exclusão ou falecimento de sócios, quotistas ou acionistas; 
  • Concepção dos planos de determinação das taxas de depreciação e exaustão dos bens materiais e dos de amortização dos valores imateriais, inclusive de valores diferidos;
  • Estudo sobre a destinação do resultado e cálculo do lucro por ação ou outra unidade de capital investido;
  • Conciliações de contas;
  • Análise de balanços.

Contador

O contador é, em teoria, um profissional com maior competência técnica. Afinal, são anos estudando Contabilidade na faculdade. Para atuar como cientista da riqueza, ele também deve ser um agente que auxilia o empresário a tomar decisões bem fundamentadas. Mais uma vez, é a aplicação da Contabilidade Consultiva, que entrega uma informação de qualidade ao gestor, que pode impactar positivamente no resultado de uma organização.

Contabilidade Consultiva

Contabilidade Consultiva

Tomar decisões pautadas em informações contábeis verdadeiras e reais permitem ao gestor aumentar as chances de sucesso de sua escolha. E esse é o trabalho de um contabilista que atua de forma consultiva, seja ele de nível técnico ou superior. É fundamental que a equipe que atua junto à organização seja capacitada para trazer prosperidade para a empresa. 

Isso depende intrinsecamente de uma relação próxima entre os empresários e os profissionais. E esse é o cerne da Contabilidade Consultiva. Na definição de Fernanda Rocha, empresária contábil, “Contabilidade Consultiva é o modelo de negócios no qual o contador atua de forma mais próxima dos empresários, com o foco no relacionamento com o cliente, utilizando-se da Ciência da Contabilidade para diagnosticar e cuidar da saúde das pequenas empresas, levando-as à riqueza e à prosperidade”.

Em suma, o trabalho do contabilista começa no balancete. Esse documento traz importantes informações para o profissional, mas não para o empresário. Ao invés de transmitir as obrigações acessórias e encerrar seu trabalho, o contabilista consultivo traduz os dados do balancete de forma que o empresário entenda o que está contido ali. Em suma, o transforma em um relatório gerencial de alto valor.

O bom profissional contabilista, seja técnico ou bacharel em contabilidade, tem o papel fundamental na vida de uma empresa. Com exceção das atividades exclusivas, esses profissionais possuem instrumentos necessários para avaliar o desempenho e os resultados do negócio. Sua principal função não é apurar resultados mensais e cumprir as obrigações legais. Essa é só uma parte do trabalho. O cerne do contabilista é ser um parceiro de negócios, aplicando a Contabilidade Consultiva.Se você ainda não sabe o que é Contabilidade Consultiva, confira nosso texto!

Deixe um Comentário

  • […] o contador, por sua vez, sem dúvidas, atuar de forma estratégica e muito mais eficiente dentro da empresa […]

  • […] o contador, por sua vez, sem dúvidas, atuar de forma estratégica e muito mais eficiente dentro da empresa […]

  • […] falar em público ou para produzir um bom discurso, é uma ótima ideia aprimorar a oratória para contadores. Felizmente, essa é uma técnico possível de ser aprendida e […]

  • >
    >