Conheça o Nucont!

Publicado por admin em

conheça-o-Nucont

Eu sou o Luis Filipe Winther, engenheiro e CEO do Nucont.

O Nucont é uma plataforma que diagnostica, com o uso da inteligência artificial, a saúde da empresas.

Ele é o laboratório para o médico das empresas, o contador. 

Por meio do uso do Nucont o contador se posicionará de forma diferenciada, com uma visão, não apenas de cuidar da burocracia, mas sim, de olhar para os números e indicadores da empresa. 

O Nucont possibilita a valorização do que ele sempre quis fazer e possibilita o aumento do faturamento com isso!

Bem, mas antes de falar mais do Nucont, é importante saber como que eu cheguei até aqui.

Minha Jornada antes do Nucont 


Comecei minha jornada no mundo da contabilidade quando me apaixonei pela Fernanda Rocha.


Me apaixonei por ela, mas não pela Ciência da Riqueza.



Na verdade, eu odiava a contabilidade, rsrs.

Mas tente me entender, eu era empresário e meu foco era vender, gerenciar pessoas, processos e garantir meus resultados.

E o contador nessa história?

Ah, ele devia calcular as guias, as folhas e fazer aquele tanto de declaração que eu nem sei quais são.

Além de empresário no setor da educação, eu era consultor empresarial, especializado em gestão de pequenas empresas.

E a contabilidade? Bem, não devia fazer nada errado.

Minha visão era bastante limitada. Peço desculpas por isso.

Hoje penso bastante diferente. Mas será que a visão que eu tinha é muito diferente da maioria dos empresários do Brasil?

Na realidade, já vi até alguns contadores pensando dessa forma.

Nesse artigo vou compartilhar com vocês a minha visão sobre o futuro da contabilidade e dizer como o Nucont trabalha dia e noite para construir esse futuro, que, apesar de alguns pensarem o contrário, ele é super promissor.

Como me apaixonei pela Contabilidade?


Apaixonado pela Fernanda Rocha eu já era, faltava a tal da Ciência da Riqueza e da Prosperidade.

Na verdade, eu me apaixonei, primeiro, pelo modelo de negócios do escritório contábil.

Ticket médio alto, taxa de evasão baixa, economia da recorrência, serviços altamente automatizáveis! UAU, temos uma mina de ouro.

Foi isso que enxerguei, clientes que pagam um ticket médio mensal de cerca de mil reais, que raramente pedem cancelamento, e o custo com mão de obra cabia muita otimização o que significaria uma alta margem de contribuição.

Se eu controlássemos as despesas, a Fernanda teria retirada maior mensalmente!!

Foi assim que eu iniciei um trabalho de consultoria junto à Fatto Contabilidade, antigo escritório da Fernanda (quando iniciamos o Nucont, ela vendeu suas cotas).

Isso aconteceu em 2013.

Eu tinha dois grandes objetivos no escritório contábil.

1º)    Preciso reduzir o custo de produção, otimizando e automatizando processos;
2º)    Preciso aumentar a captação de clientes, melhorando o marketing e a proposta de valor;

Vamos explorá-los um pouco:

1º)Redução dos Custos, Otimização e Automatização de Processos 

O escritório contábil estava dividido, basicamente, em 3 áreas operacionais, sendo:
a)Departamento Pessoal (DP) ou Trabalhista;
b) Departamento Fiscal (DF) ou Tributário;
c) Departamento Contábil (DC);

O DP era enxuto, uma pessoa cuidava de uma carteira de aproximadamente 35 empresas. Eram, mais ou menos, 200 funcionários para gerenciar, sendo que uma empresa puxava a média pra cima com 50 funcionários.

O Fiscal também performava relativamente bem, era um coordenador experiente e um auxiliar.

Já o Contábil estava bastante emblemático. Eram três pessoas que remavam muito, mas o barco não avançava. Estariam eles contra a maré?

A Fernanda Rocha teve toda sua trajetória profissional dentro do Departamento Contábil. De estagiária, auxiliar, passando por gerente até ter seu próprio escritório contábil. Ela valorizava muito este departamento.

Então, ali era o início dos trabalhos.

Fui entender.

Nossa! Quanta papelada.

E digita na mão?

Tudo um por um?

E se errar uma vírgula?

Como que é, me explica de novo essa história de conciliação.

Conta virada?

O engenheiro aqui apanhou pra entender (será que cheguei lá?!).

Bem, importante dizer que nessa etapa do relacionamento com a contabilidade ainda não havia o amor... na verdade, acho que eu estava ficando mais longe de gostar.

Afinal, não via sentido.

Perguntei um dia à Fernanda:

- Pra quê serve todo esse esforço?

A Fernanda respondeu, mas confesso que eu não ouvi. Só queria acabar com todo aquele processo de uma vez por todas. Enquanto ela explicava eu pensava eu como a tecnologia poderia ajudar.

Encontrei.

Existiam softwares que integravam os trabalhos.

O cliente usa o software na nuvem, conecta com a contabilidade, definimos uma “de/para” e pronto, uma boa parte estava automatizada.

O desafio agora era convencer os clientes que deveriam usar esses softwares. E foi difícil.

Eles diziam:

“Ah, seu eu vou fazer o trabalho do contador, então vou pagar metade do honorário.”

Ou então:

“Mas eu só quero que você não erre o cálculo do imposto.”

Ou ainda:

“Meu amigo me falou que minha empresa deveria ser do Lucro Real pra eu pagar menos imposto.”

É... eu tinha encontrado o caminho da redução de custo, mas não seria fácil.

2º) Captação de Clientes, nova Proposta de Valor - Novo Marketing


Se reduzir os custos não estava fácil, eu poderia conseguir mais clientes, e fazer com que minha equipe seja mais produtiva. Estaria aumentando a Receita sem aumentar os Gastos. Margem de Contribuição subiria e a diferença iria direto para o Caixa.

Então, vamos vender!!

Primeira tentativa foi o marketing digital.

Me apaixonei por esse mundo.

Eu mesmo fiz o site da Fatto e também me certifiquei em Google Adwords.

Defini a estratégia, contratei a RD Station, recebi consultoria na área e estudei bastante.

"Landing Page", "Inbound Marketing", "SEO", "Analytics", "Leads", "Prospects", Conversões, CAC, CPC, CPM, palavras chaves, blog, são muitos termos.

Mas fomos vencendo um por um.

E o tráfego no site começou a aumentar.

Produzimos muitos conteúdos.

Todavia, os resultados não foram bons. Atraímos muitos MEI ou curiosos.

Revisamos as estratégias, mas não obtivemos sucesso.

O que deu muito sucesso foi quando pegamos os conteúdos que havíamos produzido e compartilhamos com os clientes atuais, as pessoas do círculo social e também com aquelas propostas que a Fernanda tinha feito, mas que não tinham dado retorno.

Isso sim deu resultado. Inclusive nos motivou a criar uma ferramenta dentro do Nucont chamada CSC para Empresários.

Além do marketing digital, optamos também por buscar uma indicação ativa.

Aplicamos uma pesquisa de satisfação com os clientes (NPS) perguntando de 0 a 10 o quanto eles indicariam a Fatto para algum amigo. Os que responderam 9 ou 10, fomos até eles com caderninho e caneta na mão e pedimos: “Então indica!!” =)

Conseguimos alguns nomes. Fizemos algumas visitas. Fechamos alguns contratos.

Mas confesso, o esforço estava maior que o resultado.

QUERÍAMOS MAIS! ​​​​

A Briga


Como a taxa de conversão estava baixa (seja no site, na indicação, na proposta), eu virei pra Fernanda e falei:

COMO VOCÊ QUER QUE EU VENDA UM SERVIÇO QUE O CLIENTE ODEIA?

Já haviam se passado pouco mais de um ano, e minha namorada já havia virado esposa (nos casamos em abril de 2014, em uma linda cerimônia). 

a-briga-que-originou-o-Nucont

Voltando pra briga:

Como vender sem uma proposta de valor?
Como vender se o cliente, se pudesse, não teria o serviço?
Como vender se o cliente te contrata para ficar livre da burocracia?
Como vender se o cliente te considera um mal necessário?


Não dá!

CONTABILIDADE NÃO SERVE PRA NADA.

É... eu dormi algumas noites no sofá por isso.

Mas ela explicou, e dessa vez eu dei ouvidos:

- O contador é o médico das empresas, ela dizia. Na contabilidade você consegue ver a saúde das empresas. Com ela você pode saber se uma empresa está indo bem ou mal?

- Como assim?

- Imagina que uma empresa começa a contratar demais sem aumentar seu faturamento? Ela estará aumento o peso da folha, o que é um indicador de improdutividade.

- Hum?

- E se uma empresa está em uma tendência de queda de Saldo de Tesouraria com uma tendência de aumento da Necessidade do Capital de Giro ela está apresentando o que chamamos de Efeito Tesoura e é uma situação clássica de Insolvência Financeira.

- Conte-me mais.

- Importante acompanhar também o rateio dos Gastos em Custos e Despesas. Essas relações são importantes para o cálculo do Ponto de Equilíbrio e também da Margem de Contribuição. Se uma empresa estiver, por exemplo, com Margem de Contribuição negativa, quanto mais ela vender, mais prejuízo ela toma.

- E de onde vem essas informações? – Eu estava começando a gostar da história.

- Do Balancete Contábil.

- Nunca vi isso lá.

- Mas são relações, uai. Espera aí que vou pegar um aqui pra te mostrar.

Ela abriu o software contábil, e imprimiu uma dúzia de páginas do balancete e começou a me explicar que você pegava aquele saldo, dividia pelo outro, depois somava com a conta que estava no Passivo Circulante e.....

Nossa, tive que pedir pra ela repetir a parte do Débito e do Crédito e também das partilhas dobradas.

Eu estava com dificuldades.

Resolvi partir pro meu velho e bom companheiro, o Excel.

Aí eu projetei um Fluxo de Caixa de uma empresa teórica igual na imagem abaixo.
E chamava "Lindas Roupas".

Coloquei todos os dados da empresa lá e falei: “É isso aqui que eu entendo. Se é pra me explicar, tem que começar daqui.”

Ela aceitou o desafio.

E, conta por conta, fomos trabalhando no Excel até fechar o Balanço.

UAU... O Ativo era igual ao Passivo.

UAU, o consultor ficou boquiaberto.

fluxo-de-caixa-nucont

O amor aconteceu

Eu entendi. Eu amei.

E aprendi que a gente não pode amar aquilo que a gente não conhece.

E também aprendi que a contabilidade tinha seu valor, mas que os contadores não sabiam vender esse valor.

Mas, importante entender o contexto.

Do mal necessário ao médico das empresas


O contador se forma em ciências contábeis (CIÊNCIAS!).

Ele aprende na faculdade que essa ciência é a da riqueza e da prosperidade.

Assim como, a medicina é a “ciência da saúde”.

Quando ele vai pro mercado ele entende que o buraco é mais embaixo.

SPED
DCTF
ECF
COAF
DEFIS
DME
RAIS
GFIP
CAGED
DAPI
GIA
SINTEGRA
DIRF
Etc…

O contador vira um portador da burocracia estatal.

Como diz a Fernanda Rocha: “Quem inventou que o contador tem que fazer isso?
Contador deveria fazer contabilidade.

Contador deveria cuidar da saúde das empresas.

Mas a hiperburocraria estatal é cruel. As empresas precisam se adequar a elas.

Empreender no Brasil é difícil e o contador acaba por trabalhar, digamos, mais pro estado e pro governo que para o seu próprio empresário e cliente.

A tecnologia automatizando processos


Por outro, a tecnologia está avançando.

O custo do processamento de dados vem caindo exponencialmente.

Aquela empresa do simples, com um ou dois funcionários, que se cobra meio salário mínimo de honorário contábil, agora consegue um contador por 69,90 por mês.

É quase 10% do preço cobrado pelo “escritório de contabilidade tradicional”.

Na Fatto tínhamos várias empresas que nos pagavam o famoso meio salário mínimo.

Será que se essas empresas tivessem acesso a uma contabilidade por 69,90 por mês elas não trocariam.

Bem, se o serviço for conformidades legais, sim, ela trocaria.

Se for pra ser o mal necessário, quanto mais barato melhor.

E esse é o processo de comoditização do serviço de contabilidade.

Se não existe proposta de valor além da entrega de conformidade legal, quanto mais barato melhor.

E pra onde isso vai no futuro?

Bem, o preço do serviço de “burocrata do governo” vai ficar cada vez mais baixo.

A minha visão é que ele, na verdade, passará a ser gratuito.

Sim, será gratuito o cálculo de impostos, folha de pagamento, declarações.

Pode demorar, mas esse dia vai chegar. E o avanço tecnológico é, em geral, mais rápido do que pensamos.

Quem é melhor para fazer um cálculo? Você ou um computador?

Resposta fácil, não é?

Tenha em mente que:

TUDO QUE PUDER SER AUTOMATIZADO, SERÁ.

A Contabilidade Consultiva


Os contadores estão fadados ao fracasso? Serão extintos?

Aquele que não é extinto, segundo Darwin, não é o mais forte, ou o mais rápido, ou o mais inteligente, mas sim aquele que melhor se adapta às condições do ambiente.

E as condições do ambiente estão postas.

O empresário não quer saber de burocracia. A tecnologia está evoluindo para automatizar esse processo.

A evolução do contador é se adaptar à essas tecnologias.

E a parte mais bonita disso tudo é que essa evolução não precisa inventar moda.

O cenário atual é perfeito para que o contador possa aplicar sua ciência.

O contador deve fazer contabilidade.

Chamamos de Contabilidade Consultiva, a verdadeira contabilidade. Que é, na verdade, a pura e própria contabilidade.

Ela sempre existiu.

É a ciência que eu me apaixonei quando descobri a mágica do Luca Paccioli.

É a ciência que me fez entender que existe um profissional capaz de ajudar as empresas a prosperarem. No Brasil 5 em cada 10 empresas morrem nos primeiros cinco anos de existência. Uma altíssima taxa de mortalidade infantil.

E o médico que deveria salvar esse paciente, estava cuidando das burocracias do hospital (o Governo).

Mas agora o jogo mudou!!!

A tecnologia veio para valorizar o contador!

Ela irá acabar com toda parte repetitiva. Todas as rotinas maçantes e desgastantes. E o médico das empresas finalmente exercerá seu papel.

A Contabilidade Consultiva é o único caminho possível para o futuro dos profissionais contábeis.

Alguns não aceitam a frase acima.

Já ouvi de alguns contadores que quanto mais burocracia melhor, pois assim eles terão mais serviço. Pra mim, essa linha de raciocínio é idêntica aquela que diz que devemos jogar lixo na rua para dar emprego aos lixeiros.

Terrível.

O contador que tiver o olhar para o sucesso do seu cliente. Gerenciando bem seus números. Analisando bem o contexto. Garantindo que a empresa não fique doente e também que ela tenha uma alta performance, é o contador consultor.

O Movimento #CSC


E já existem muitos desses por aí.

A Fernanda Rocha criou o Movimento Contabilidade Sem Chatice, o #CSC.

O #CSC é uma reunião de contadores que cansaram de ser o mal necessário e sabem que a contabilidade consultiva é a solução.

Eles adoram a tecnologia e inovação.

Diariamente compartilham seus aprendizados, suas dificuldades e suas experiências.

Se você é contador, não deixe de conhecer mais este Movimento que está revolucionando a contabilidade no Brasil.

Você fará vários amigos, parceiros e, quem sabe, sócios!! =) 

Após o amor, o resultado


Eu havia entendido o valor da contabilidade.

Entretanto faltava fazer os outros empresários entenderem.

Como traduzir as informações que estavam prontinhas no balancete e fazer com o que o empresário consiga enxergar?

Será que precisamos desenhar?

Sim!!!

Essa era a resposta. Tínhamos que desenhar.

Na boa e velha: “Não entendeu? Quer que eu desenhe?”

E foi isso que fizemos na Fatto. Criamos o que chamamos de Fatto Dashboard que depois se tornou o Nucont.

Fernanda e eu sentamos e desenhamos o que o empresário gostaria de ver.

E montamos um dashboard (painel de indicadores) que contasse uma história. Usamos a técnica chamada de data storytelling.

E assim montamos a história:

  1. O empresário PRIMEIRAMENTE entender sua Lucratividade. Deu lucro ou não deu? Primeiro a visão percentual e depois o valor. Primeiro a visão do mês atual e depois a do acumulado por ano.

  2. Depois o Fluxo de Resultados, com uma visão clara da variação de Receita e Gastos. Assim podemos analisar as tendências (análise horizontal)

  3. Mas, como foi a Distribuição dos Resultados? Para onde foi o dinheiro gasto? Foi com Fornecedores? Impostos, Folha, Despesas Financeiras, Etc.

  4. Terminado esse primeiro olhar, e o Caixa? Aumentou ou diminuiu? O empresário quer saber essa variação. 

  5. Importante saber também como está a Capacidade de Quitar Obrigações de Curto prazo, assim colocamos a Liquidez Imediata.

    As demandas de curto prazo do empresário já se encerraram, mas você - contador -, que entende da ciência melhor que ele, tem de mostrar pra ele o que ele não está enxergando.

  6. Ciclo Financeiro. A maioria das empresas quebram por não gerenciarem bem seu Ciclo Financeiro.

  7. Necessidade de Capital de Giro, é a tradução em reais do ciclo financeiro. Quanto ele precisa para girar sua operação. Se ele não tiver Capital de Giro para isso, teremos problemas. Importante contar essa história.

  8. Por fim, o EBITDA. Um dos indicadores que investidores mais gostam. Mede a capacidade operacional da empresa. E outra, se o empresário não conhecer, tenho uma boa oportunidade para dar meu show.

Bem, essa era a história que queríamos contar.

Esse era nosso show.

Veja uma parte dessa história no Nucont:

dashboard-contabil-nucont

Eu confesso que "design" do Fatto Dashboard não era esse espetáculo todo. rsrs

Mas já impressionava.

E foi assim.

Desenhando e contando uma história que entendemos como faríamos que os empresários se apaixonassem pelo Nucont.

Deu certo. Muito certo: 

  • Em 12 meses a Fatto passou de 35 para 100 clientes.
  • O Ticket Médio se manteve na casa dos mil reais.
  • Quase triplicamos o faturamento.
  • E conseguimos otimizar demais os custos.
  • Automatizamos vários processos.
  • Alinhamos o propósito com a equipe.

E, certa vez, em uma apresentação na internet, alguns contadores viram o Fatto Dashboard e nos mandaram email pedindo para terem também.

Foram mais de 50 emails solicitando o Fatto Dashboard para usarem também.

E a minha primeira reação foi negar!!

E então, nasce o NUCONT! 


Esse era o diferencial da Fatto Contabilidade. Como compartilhar com os outros?

Mas, esse pensamento não durou muito.

A Fernanda entendeu que ela tinha um chamado, que os profissionais contábeis estavam passando por um processo de mudança, de adaptação e não seria fácil.

Se conseguíssemos transformar os escritórios contábeis assim como transformamos a Fatto, cumpriríamos uma missão muito maior.

E, dessa vez, ela não teve dificuldades para me convencer.

Acreditávamos que nosso futuro não estava em levar a Fatto de 100 para 1000 clientes, e então, descobrimos que havia uma forma melhor para mudar o rumo da contabilidade no Brasil.

E o Nucont nasceu.

As transformações do NUCONT 


O Nucont nasceu sendo um balancete com design.

Depois entendemos que éramos o Google Tradutor da contabilidade.

Vimos que éramos a ferramenta da contabilidade consultiva.

Dashboard Financeiro


Éramos exclusivamente focados no balancete contábil.Ampliamos.

Sabemos que somos o campo de pesquisa do contador. E produzimos exames de imagens. Esses podem ser mais simples ou mais complexos.

Por isso, para tratar os pacientes mais simples, lançamos também o Dashboard Financeiro.Nossos clientes adoraram.

Com a visão Financeira, aliada à já consolidada contábil, os contadores conseguem fazer uma análise mais completa.

NUCONT Prospect 


Percebemos que nossos clientes, os contadores, fecham muitos contratos novos com o argumento de venda do Nucont. Utilizam a Proposta de Serviços Contábeis Irrecusávelda Fernanda Rocha e arrebentam de vender.

Decidimos ajudar mais ainda e criamos o Nucont Propect.

Uma ferramenta simples, rápida e intuitiva para que o contador impressione o potencial cliente (prospect) já no primeiro contato.

Com o Nucont Prospect o contador pergunta três dados simples pro empresário:

1º) Qual sua Receita Média?
2º) Qual o seu Custo?
3º) Qual a sua Despesa?

E o Nucont, além de dar um Dashboard lindo com 7 indicadores pro cliente na hora, ainda simula qual o potencial de crescimento e melhoria do cliente ao vivo e a cores.

Nesse estilo: 

como-prospectar-clientes-nucont

Sabem o que acontece nesse momento?

O empresário, potencial cliente, percebe na hora que ele está diante de um contador diferenciado. Ele vê que o contador-consultor não está ali só pra falar de impostos e declarações pro governo. Ele vê que o contador está preocupado com a lucratividade, com o Ponto de Equilíbrio, o Markup, a Margem de Contribuição.

E imaginem, amigos, a conversa que se dá entre os sócios após terem recebidos três propostas de três escritórios de contabilidade diferentes:

  • Proposta A: R$ 2.300,00/mês (essa é a do contador consultor)
  • Proposta B: R$ 1.890,00/mês
  • Proposta C: R$ 1.550,00/mês

O diálogo é mais ou menos assim:

- E aí, qual você gostou mais?

- O Contador C é o mais barato, né?

- É, mas ele veio com um discurso muito sem sal.

- É...

- Teve o Contador A, hein? Bem focado em nossos números.

- É, ele disse que vai nos ajudar a organizar a casa. Disse que nos indicaria um software na nuvem e que, se fizesse sentido, apresentaria uma proposta de consultoria de melhoria de resultados.

- Ele vai cobrar a mais por isso, né?

- Vai sim.

- Mas ele é diferenciado! O que acha?

- Poh, eu não tenho nem dúvida que nossa empresa estará em melhor com ele.

- Nossa, eu já tinha decidido quando ele terminou a apresentação.

- Fechado. Liga pra ele agora!

O diálogo acima foi baseado em dezenas de feedbacks que já recebemos dos nossos clientes.

Quando você mostra pro empresário que você cuida sim, da parte burocrática, faz parte do escopo do seu serviço, mas seu foco é outro, ele entende que está diante de um contador-consultor.

E é nesse contexto que não existe mais comoditização.

Preço sempre será um fator importante para a tomada de decisão, mas não será o principal.

Não existe briga por preço quando você define claramente sua proposta de valor.

CSC para Empresários (CSCe)


O Nucont desenvolveu também outra ferramenta baseada nas nossas experiências na Fatto.

Quando fomos visitar os clientes, após a pesquisa de satisfação ouvimos muito: “Ei, tenho acompanhado os materiais que vocês têm feito. Estou gostando muito.”

Entendemos que é papel do contador educar seus clientes. Por isso, todas as empresas cadastradas no Nucont recebem um conteúdo semanal.

São artigos que falam da boa gestão empresarial. Passam pelos indicadores, pela gestão de processos, cultura, definição de metas.

Assuntos do interesse do empresário brasileiro.

Além de educar, o CSCe cumpre um papel muito importante: demonstrar para os clientes dos nossos clientes que eles estão diante de um contador que se preocupa com a gestão, além da burocracia.

O CSCe educa os empresário de forma a saberem que essa nova geração de contadores evoluiu.

Machine Learning e Inteligência Artificial


Utilizamos de técnicas de Machine Learning e Inteligência Artificial para automatizar processos que podem ser automatizados.

Criamos a Parametrização Inteligente que faz a leitura do seu Balancete e automaticamente faz o De/Para as variáveis do Nucont que são a base para o cálculo dos indicadores financeiros e contábeis.

O índice de acerto da Parametrização Inteligente, no momento que estou escrevendo esse artigo é de 98,7%.

A Inteligência Artificial é usada para encontrar os padrões de indicadores da empresa e assim gerar os principais insights de negócio automatizados.

​Nasceu a Nanda!

Nanda é a inteligência artificial desenvolvida pela Nucont para ser a assistente virtual dos contadores.

Ela analisa automaticamente dados financeiros e contábeis e gera insights de negócios das empresas.

Tudo é gerado e processado pelo cérebro do Nucont que trabalha incansavelmente 7/24 para medir e monitorar a saúde das empresas.

É como se o médico tivesse o monitoramento, em tempo real, da saúde dos seus pacientes e soubesse como está a pressão arterial, o batimento cardíaco, o número de hemoglobinas, etc.

É a IA do Nucont trabalhando em prol do contador, em prol da verdadeira contabilidade.

Esse é o propósito do Nucont: 
Cuidar do contador, para que ele cuide das empresas.


Luis Filipe Winther
CEO do NUCONT

Categorias: Nucont

>