Contabilidade Consultiva

Como o controle do Ciclo Financeiro e operacional afeta sua empresa?

03 Maio

O controle do Ciclo Financeiro de uma empresa é essencial para saber se o negócio precisa, ou não, de mais Capital de Giro para se manter operando.

Estratégias de marketing digital para você aplicar em seu escritório contábil

Neste kit, você encontrará métodos que te ajudarão a vender seus serviços contábeis. Desde o Marketing Digital (emails e redes sociais) até métodos de proposta!

Para deixar o conceito mais claro, Ciclo Financeiro, que também costuma ser chamado de Ciclo de Caixa, é o intervalo de tempo entre a data que os fornecedores e/ou matéria-prima são pagos, e o retorno desse dinheiro para a empresa, decorrente da venda do produto que foi gerado.

No primeiro artigo da nossa trilogia, “Como a gestão de prazos médios pode evitar a falência de uma empresa?”, falamos sobre os prazos médios, que são: Prazo Médio de Recebimento (PMR); Prazo Médio de Estocagem (PME) e Prazo Médio Pagamento (PMP).

Mencionamos também que esses prazos devem ser analisados em conjunto, visto que, individualmente, eles fornecem poucas informações.

Considerando isso, hoje falaremos sobre dois ciclos: o Ciclo Operacional e o Ciclo Financeiro. Esse tema é importante, pois, com eles, é possível analisar melhor a relação dos prazos médios.

Por isso, continue a leitura e entenda ainda mais sobre o assunto!

O que é controle do Ciclo Financeiro e por que é necessário

O que é controle do Ciclo Financeiro e por que é necessário

Como dissemos anteriormente, Ciclo Financeiro, ou Ciclo de Caixa, indica o período entre um desembolso financeiro e o retorno desse valor para a empresa.

Sem o devido controle do Ciclo Financeiro de um negócio é quase impossível realizar uma boa gestão financeira. Isso acontece porque é por ele que se descobre se há a necessidade de injetar mais Capital de Giro na empresa, ou não.

Por exemplo, quando um empreendedor compra matéria-prima para a fabricação dos seus produtos, isso é um desembolso, ou seja, uma saída de valor. Ao produzir esse item e vendê-lo ao cliente final, o valor investido retorna para a empresa.

Esse intervalo de tempo, que pode ser dias ou meses, dependendo do modelo de negócio, corresponde ao Ciclo Financeiro.

Mas não pense que apenas empresas que trabalham com a produção de algo devem se preocupar com o controle do Ciclo Financeiro: isso é válido para todos os setores!

Por exemplo, um supermercado, ao adquirir os produtos e alimentos que serão vendidos, realiza um desembolso de valores, certo? Até que esses itens sejam colocados nas prateleiras e comprados pelos clientes há um hiato temporal. 

E é justamente essa quantidade de dias que deve ser identificada para que o gestor do supermercado verifique se o negócio consegue se manter financeiramente durante esse intervalo, ou se é preciso mais Capital de Giro para manter as suas operações.

Como funciona o Ciclo Financeiro

Mas para saber como fazer o controle do Ciclo Financeiro de uma empresa, é preciso destacarmos outros dois conceitos, que são o Ciclo Econômico e o Ciclo Operacional.

O Ciclo Econômico é o período de dias entre a compra de matéria-prima ou de itens prontos para comercialização e a sua venda.

Ainda que soe bastante semelhante ao Ciclo Financeiro, a principal diferença é que o Ciclo Econômico não considera para o seu cálculo as datas de entrada e de saída de valores no caixa da empresa.

Já o Ciclo Operacional é o intervalo que contempla a compra da matéria-prima ou dos produtos prontos, a estocagem desses itens, a produção (quando há), o tempo de estoque das mercadorias prontas e a venda ao consumidor final.

É sobre ele que vamos falar em detalhes agora!

O que é Ciclo Operacional  

O que é Ciclo Operacional  

O Ciclo Operacional diz respeito ao período que vai do pagamento da matéria-prima, ou compra dos produtos prontos para comercialização, até o recebimento dos valores gerados pela venda desses itens.

Ou seja, é o caminho do dinheiro investido pelo empreendedor, desde a sua saída para entrega do produto até a sua volta, após comercializar algo com o cliente.

Porém, ele envolve também os dias que essas mercadorias ficam paradas no estoque, prontas ou não.

A fórmula para calcular o Ciclo Operacional é:

Ciclo Operacional = prazo médio de recebimento + prazo médio de estocagem

O resultado ideal para um negócio é o período mais curto possível. No entanto, essa definição pode ser variável de acordo com o modelo de negócio.

Destrinchando o controle do Ciclo Financeiro com exemplos

Para calcular o Ciclo Financeiro é preciso utilizar a seguinte fórmula:

Ciclo Financeiro = PME + PMR – PMP

A fim que a sua aplicação fique mais clara, vamos utilizar um exemplo. Imagine uma empresa que os seguintes prazos médios são:

  • PME= 10
  • PMR= 20
  • PMP= 40

Aplicando as fórmulas acima, temos: Ciclo Operacional = 30 e o Ciclo Financeiro= -10.

Nesse exemplo, podemos concluir que o tempo que o fornecedor disponibiliza para o pagamento da mercadoria é tão grande que a operação dá uma volta completa (PMP > Ciclo Operacional).

Isso significa que o fornecedor está financiando a operação para a empresa, o que é muito bom. Em outras palavras, não é preciso injetar capital para a operação dar uma volta completa.

Agora imagine o caso em que os prazos médios são:

  • PME= 10;
  • PMR= 20;
  • PMP= 10.
  • Ciclo Operacional= 30
  • Ciclo Financeiro= 20

Nesse caso, temos um Ciclo Financeiro positivo (PMP < Ciclo Operacional). Isso significa que a empresa necessita financiar a operação durante 20 dias para manter seu negócio funcionando.

Assim, podemos concluir que, quanto menor for o Ciclo Financeiro, melhor para empresa, visto que mais rápido o dinheiro dá uma volta completa, e menos tempo o negócio precisa para financiar as suas operações — se for negativo, melhor ainda!

E quanto maior for o Ciclo Financeiro, pior para a empresa, pois, maior será sua necessidade de capital de giro para manter sua operação rodando. 

Após calcular os ciclos, é necessário criar estratégias para reduzir o Ciclo Financeiro e o Ciclo Operacional.

Para fazer isso, é preciso analisar individualmente os prazos médios, e definir formas de aumentar o PMP e de reduzir o PME e o PMR.

Além disso, é necessário analisar também os outros indicadores que conversam diretamente com os prazos médios e ciclos.

Principais diferenças entre Ciclo Financeiro Negativo e Ciclo Financeiro Positivo 

Durante o controle do Ciclo Financeiro de um negócio, é possível obter resultados positivos ou negativos.

No caso, o Ciclo Financeiro Negativo é aquele no qual a empresa não precisa gastar mais antes de ter o retorno do seu investimento.

Isso acontece, por exemplo, quando o prazo de pagamento dado pelos fornecedores é suficiente para que o gestor consiga quitar a sua aquisição (de matéria-prima ou produtos prontos) com o valor obtido com a venda desses itens.

Ou ainda, quando Capital de Giro é suficiente para arcar com esses desembolsos e ainda gera excedentes.

Já o Ciclo Financeiro Positivo é o oposto. Ele acontece quando a empresa precisa pagar os seus fornecedores antes de receber pela venda dos produtos. Isso gera um déficit no seu caixa e, muitas vezes, pode levar à necessidade de buscar recursos financeiros externos, fazendo o negócio contrair novas dívidas.

A importância de fazer o controle do Ciclo Financeiro de um negócio

A importância de fazer o controle do Ciclo Financeiro de um negócio

O controle do Ciclo Financeiro de uma empresa é um indicador que permite ao gestor fazer uma avaliação clara e precisa do Capital de Giro do negócio.

Com esse cálculo é possível, por exemplo:

  • aprimorar o processo de produção dos itens comercializados;
  • melhorar a gestão de estoque;
  • identificar as melhores datas dentro do ciclo para negociação com fornecedores e clientes;
  • identificar a necessidade de injetar mais dinheiro em determinados períodos;
  • manter as despesas fixas da empresa em dia.

Por todos esses motivos ele é tão importante. Sem mensurar com precisão o intervalo entre a aquisição de matéria-prima ou produtos para venda, e o retorno desse investimento, é quase impossível manter a saúde financeira do negócio.

Dicas para reduzir o Ciclo Financeiro de um negócio

Como dissemos anteriormente sobre o controle do Ciclo Financeiro, quanto menor esse período for, melhor para a empresa.

Ciclos financeiros curtos trazem retorno monetário mais rápido e livram o gestor de ter que buscar recursos externos.

Como dicas para reduzir esse ciclo, temos:

  • manter o fluxo de caixa atualizado e bem controlado;
  • negociar melhor os prazos com os fornecedores;
  • melhorar a oferta de pagamento para os clientes, por exemplo, dando descontos especiais para pagamentos à vista;
  • aprimorar a gestão de estoque, dando atenção a mercadorias que estão há mais tempo paradas.

Mas além do controle do Ciclo Financeiro, há outros pontos que precisam de atenção para que a saúde financeira da empresa seja mantida e o sucesso do negócio alcançado.

Por isso, a nossa dica extra é o artigo “13 indicadores financeiros para empresas que você precisa acompanhar”. Aproveite que está aqui e leia agora mesmo!

Deixe um Comentário

  • […] da empresa é muito robusta (estoques altos e prazos grandes para receber de seus clientes), ocasionando um alto ciclo financeiro (tempo em dias que a empresa demora a produzir e vender seu estoque, coletar os recebíveis e […]

  • […] ​Ciclo Financeiro e Ciclo OperacionalCapital de Giro e Necessidade de Capital de Giro […]

  • […] capital de giro é uma etapa importante para o empresário. Anteriormente, abordamos o cálculo do Ciclo Operacional (CO) e do Ciclo Financeiro (CF) e mostramos como o primeiro interfere na tendência do segundo. O Ciclo Financeiro, por sua vez, […]

  • […] pessoas pensam “Só tenho um contador porque sou obrigado. O controle financeiro que eu mesmo faço já é o suficiente”. No entanto, não podemos deixar de destacar que essa é […]

  • >
    >