A Importância de uma Boa Precificação

Publicado por Karol em


Para manter uma boa lucratividade e também ter adesão do mercado é preciso desenvolver uma estratégia de precificação, uma visão muito clara sobre como precificar seus produtos além de entender o conceito como um todo.

No artigo de hoje iremos falar um pouco sobre a importância de uma boa precificação Na semana que vem iremos mostrar uma metodologia para precificação.
Lembrando, de início, que precificar não é apenas uma metodologia, é uma arte.

Não adianta ter um preço muito baixo, abaixo de seus concorrentes, se esse preço não consegue sustentar suas operações. A entrada da receita é única, temos um preço para a venda, e essa venda tem que não só pagar o custo “e mais um pouquinho”. Toda venda sua, uma parte da receita é para pagar o custo, uma parte para pagar impostos, pagar comissões, pagar suas despesas e ainda pagar o seu lucro.

Mas mesmo com essa visão, não podemos esquecer que o preço do seu produto é o quanto seu cliente, paga por ele. Por isso é tão importante trabalhar com valor agregado ao produto.

Neste cenário onde, precisamos pagar nossas contas, gerar lucro e ainda estar em um preço que meus clientes veem valor e não achem “caro”, precisamos estar atentos a três fatores:

  • Preço de Mercado
  • Percepção de valor / Valor agregado
  • Preço sustentável

E agora vamos falar um pouco de cada um deles:


1.Preço de Mercado

Procure sempre estudar os seus concorrentes e principalmente estudar o SEU CLIENTE. Não falo isso para olhar e focar em sempre ser o mais barato. Nem sempre esta estratégia funciona. O preço também está muito ligado a percepção de valor que o cliente tem do seu produto. Iremos falar disso no próximo tópico.

Quanto o meu cliente está disposto a pagar pelo meu produto? Porque um concorrente que tem um preço maior, vende mais do que eu?  Qual o preço médio dos meus concorrentes?

Todas essas perguntas devem ser feitas por todos empresários que buscam entender melhor a precificação de seus produtos. Não devemos nos basear apenas no preço de mercado, precisamos nos basear nos três fatores citados acima.

2. Valor agregado / Percepção de Valor

Nem sempre ter uma estratégia de preço baixo é o melhor para as empresas. O quanto seu produto melhora a vida do seu cliente? Como fazer para maximizar essa percepção de valor por parte do seu cliente?

Claro, fornecendo um produto/serviço de boa qualidade, com atendimento diferenciado e com experiência para seu cliente, fica mais fácil cobrar um preço maior. Mas por que?

Isso acontece porque o cliente não está comprando apenas seu produto, antes de comprar o produto ele tem que comprar a empresa!

Vamos pensar:
Porque tem pessoa que reclama de pagar R$3,00 em um cafezinho em uma padaria, mas não reclama de pagar R$12,00 em um café no Starbucks?

Simples, porque a experiência do cliente no Starbucks é MUITO maior e melhor do que tomar uma simples cafézinho na padaria. No Starbucks você é muito bem atendido, está em um local bonito, limpo, sofisticado e que é propício para você bater um papo enquanto toma um café. Então, por estar comprando a EXPERIÊNCIA e não o café, você aceita pagar mais caro por isso.

Percepção de Valor

O preço de um produto também afeta muito sobre a percepção de valor por parte dos seus clientes. Se você tem um ÓTIMO produto, que realmente é bem acima do mercado, se você cobra muito barato por ele, você acha que seu possível cliente vai realmente acreditar na qualidade extrema do seu produto. Somos adaptados para relacionar qualidade com preço. Uma coisa cara é sempre melhor que uma coisa barata. Só não devemos partir sempre dessa premissa, mas ela afeta bastante a decisão de compra do seu cliente.

Recentemente fizeram um estudo nos Estados Unidos para verificar a percepção de valor dos produtos em relação ao seu preço. Levaram alguns voluntários para um restaurante para uma degustação de Vinhos. E eles começaram do vinho mais barato para o mais caro. Sabe qual foi a resposta unânime sobre qual vinho era o melhor? Claro, o mais caro!  E sabe o que é mais curioso???

TODOS OS VINHOS ERAM IGUAIS, NÃO TINHA DIFERENÇA ALGUMA!!!!

Consegue ver como a percepção de preço afeta diretamente na possível “qualidade” do produto?

3.Preço Sustentável

Conforme dito no início deste artigo, não adianta a gente se preocupar apenas com o mercado e seus clientes, se você não estipular seus preços para que mantenham sua operação lucrativa.

Você sabe como fazer uma precificação que consiga saber exatamente quantos R$ de cada produto está sendo vendido para pagar seus impostos? Suas comissões? Suas despesas? Seu lucro?

Não seria ótimo ter a visão: “Vendo essa caixa por R$10,00 mas tenho clareza que desses R$10,00, R$ 4,50 é para pagar meu custo, R$1,50 é para pagar o rateio das despesas, R$1,00 de imposto e ganho R$3,00 de lucro”

Pois é, mas nem sempre é tão fácil para todos os empresários saberem isso. Por isso na semana que vem, iremos apresentar uma metodologia muito boa para te dar essa visão e contribuir para uma melhor precificação de seus produtos. Não deixe de ler na semana que vem!

Até lá!

Matheus Pereira Campos
Co Founder e Head de operações do Nucont.


Karol

Copywriter da Nucont, estudante de moda, apaixonada por Contabilidade Consultiva e na luta contra a chatice!

>